terça-feira, 2 de agosto de 2011

Um Livro Bem Estranho

Protagonista de pelúcia, num livro nada infantil

Oi, pessoal!

Acabou de sair, no Digestivo Cultural, meu texto "Aos Cérebros Novidadeiros", sobre o livro "Amberville - A Lista da Morte". É um dos livros mais estranhos que já li. Se puderem, leiam meu texto.

Ah, e eu gostaria também que vocês me dissessem qual foi o livro mais estranho que vocês já leram.

Beijos!

21 comentários:

  1. Então, os integrantes dessa narrativa são de pelúcia? Bonitinhos, maciozinhos, só por fora?...Interessante o seu comentário sobre o livro, Carla. Parabéns. Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Olá escritora e poetisa Carla, que tudo esteja bem contigo!

    Com certeza é deveras estranho, entretanto é um livro. E sabemos que por mais estranho que possa nos parecer um livro, seu conteúdo sempre nos trás conhecimentos, nos ilumina em mais um ponto na escuridão do desconhecimento, sendo assim sempre vale a pena conhecer o conteúdo. Principalmente pela narrativa e seus integrantes serem "estranhos".
    Creio que vale sua indicação, e assim eu deveras grato por tuas visitas e elogiosos comentários desejo você e todos ao redor tenham intenso e feliz viver, abraços e até mais!

    ResponderExcluir
  3. Oi Carla,

    Li o Digestivo, achei bacana a forma como descreveu o livro.

    Acho que um livro estranho que talvez eu nem devesse tacar pedra é "Contato", do Carl Sagan. Ainda que de ficção científica, o autor tenta mostrar como nós da terra poderíamos receber uma mensagem de uma civilização extraterrestre. Ele usa argumentos científicos até razoáveis, mas que ao se aplicarem à sua tese, se tornam vagos e frágeis.

    Sempre bom vir aqui, abraço!

    ResponderExcluir
  4. Oi Carla... seu artigo intrigou-me e muito! Adoro leituras que me instigam. Quando li A Cabana... dei voltas em conceitos mil em minha vida; assim como Leite Derramado. Mais recente merece destaque Mulheres que correm com os lobos, esse adorei e energizou-me em novas posturas. Costumo devorar tudo o que vem em minhas mãos, uns indigestos, muito água com açúcar, sermão de vida... mas ainda assim leio-os para fazer um paralelo das boas leituras e do lixo literário que existe... E, o pior, vende! Parabéns pelo seu texto. Motivou-me!Atualmente, leio "A física da alma"... com certeza com essa leitura não terei desequilíbrio mental nenhum!!
    Abraço da Célia.

    ResponderExcluir
  5. Querida amiga Carla
    Fui ao Destino Cultural ler "Aos cérebros novidadeiros", de que gostei imenso.
    A ciência nos diz que o cérebro é uma máquina que precisa ser oleada para funcionar na perfeição. E quando é avançada na idade precisa de cuidados acrescidos.
    Todas as indicações que vc fornece são extremamente úteis.

    Quanto ao livro, vc faz uma resenha tão pormenorizada e explícita que foi como se eu lesse o livro.
    Não faço a mínima ideia de seu título em Portugal, que nunca é igual ao publicado no Brasil... O mesmo acontece com os filmes.

    Não consigo lembrar-me de nenhum livro estranho, dentre os vários milhares que já li até hoje:). Recordo-me, isso sim, de um livro que tentei ler, por várias vezes, e até hoje não consegui acabar. Chama-se, em Portugal, "Jantar Mundano", autor
    Claude Mauriac. Pode-se dizer que é estranho... difícil de entender... de tal modo que desisti, das várias vezes que tentei lê-lo até ao fim...

    Com votos de boas leituras... desejo uma boa semana. Beijinhos

    ResponderExcluir
  6. Ai, amiga... não me bateu vontade nenhuma de ler o livro... kkkkkkkk

    ResponderExcluir
  7. Olá Carla...
    Vou passar por lá para conferir sua descrição e impressões sobre o livro.
    Quando ao livro estranho que li... Não digo estranho mais muito enigmático foi "O mundo de Sofia".
    Um abraço carinhoso

    ResponderExcluir
  8. oi Carla,

    adorei seu comentário a respeito do livro,
    mas não me entusiasmei muito,
    sou muito chata para ler,
    escolho muito bem,
    por isso não me lembro de ter lido nada
    estranho...

    beijinhos

    ResponderExcluir
  9. Oi, Carla!
    Fui ao link e li seu ensaio. Muito bom o seu texto, recheado de detalhes e de sólidas conclusões. Sobre o livro mais estranho que li, não digo que estranho hoje, mas foi à época, lido quase que de uma só tirada e à luz de candeeiro:
    "Robsom Crusoé".

    Abraços!

    ResponderExcluir
  10. Muito legal!! Parabéns!! Sei bem o que está sentindo, pois estou passando por isso tbm! (quanto à publicação do texto..rsrs)

    []s

    ResponderExcluir
  11. hahaha

    mas que loucura de livro!

    O mais louco que li foi o "Cem anos de solidão".

    Muitas vezes a beleza está na loucura do negócio.

    beijão

    ResponderExcluir
  12. Obrigada, pessoal, pelas respostas! Já li alguns livros estranhos que vocês mencionaram. Outros acabaram de entrar pra lista de leituras futuras. Vocês são uns amores. Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Olá Carla, li la no Digestivo Cultural como vc descreve o livro. Parece muito bom de ler. Já li alguns mais acho não tão estranho assim. Gostei muito do seu blog e vou estar a te seguir.Convido a conhecer meu blog, e se gostares me siga também. Um abraço e ótima quinta.

    Smareis

    ResponderExcluir
  14. Regina Magnabosco5 de agosto de 2011 10:56

    Carla, parece ser muito interessante a história dos bichinhos de pelúcia humanizados. Pra falar sobre algum livro estranho que eu tenha lido, passei os olhos pelos títulos de minha estante e localizei dois que chegaram a me passar sensação de estranhamento quando li: ‘Sombras de Reis Barbudos’ (José J.Veiga) e ‘Elogio da Loucura’ (Erasmo de Rotterdam). O primeiro gostei muito de ler – uma cidade que vai se enchendo de muros e urubus, numa situação cheia de absurdos. O segundo foi muito esquisito quando li, mas acho que foi por pura imaturidade minha, porque quando o peguei pra dar uma folheada antes de fazer esse comentário aqui, encontrei a frase “...e se eu não vos demonstrar que sou a deusa à qual todos os homens são mais gratos e que eles mais estimam, desde o cetro ao bastão do pastor, acima de todas as coisas, estou disposta a deixar de ser a Loucura” e estou sentindo vontade de lê-lo novamente.
    Valeu por mais esta ótima publicação em seu blog. O Digestivo Cultural, que é ótimo, ganha muito tendo você entre seus colunistas.

    ResponderExcluir
  15. Olá, Carla,Eu ainda não o li! Más pela imagem parece estranho!Concordo com a Tatiana, o mundo de Sofia, È realmente enigmático... Bjs com carinho e obrigada sempre pela visita! Lindo fim de semana para vc!

    ResponderExcluir
  16. O mais estranho foi Metamorfose de Franz Kafka. Pegamos carrapatos na Esalq e tomavamos remédios em minhas férias num chalés, levei esse livrinho, comprimidos para as picadas - não sabia se pegara febre maculosa ou não. Escrevi lá uma crônica por os chalés serem todos iguais e eu quase errar de entrar no meu, foi divertido mais de escrever que ler. Depois da leitura dei consecução ao O Efeito Espacial, seguindo uma linha parecida, mas com desfecho positivo e de humor de entremeio; não quero ser o Kafka não, mas me imputaram até plagio, imagina.

    ResponderExcluir
  17. Anotarei,
    quero saber
    o quanto ele
    pode ser
    realmente
    "estranho".

    ResponderExcluir
  18. Passsei por lá, li e deixei meu comentário, minha querida.
    Um grande abraço

    ResponderExcluir
  19. Oi Carla,dei uma passadinha pra desejar uma ótima semana cheia de coisas maravilhosa e sonhos realizados. Obrigada pelas bela palavras... Voltarei!Beijos

    smareis

    ResponderExcluir
  20. Amiga, vim lhe deixar um convite...
    Estou falando do www.superlinks.blog.br.
    Você vai poder divulgar suas páginas, pois os critérios deste site são sérios e vale a pena conhecer e suas páginas possuem excelentes postagens.
    Um grande abraços..

    ResponderExcluir
  21. Tim-Tim Carla!
    Todos os livros possuem uma personalidade. Há os digestivos, afrodísiacos, magníficos, balsâmicos, negritudes, ridículos, bestiais, enfim, prosa e verso para todas as mentes.
    Mas o mais intempestivo que já li e recomendo é:
    "O Dia que Voltei da Tumba para Viver Novamente". - Ed. Lua Nova, 1988, se encontrá-lo, vai gamar.

    ResponderExcluir