terça-feira, 9 de agosto de 2011

Mais Tarde

Poema dedicado a todos os gatos gordos que já tive

Oi, pessoal!

O poema de hoje pede uma explicação.

Aqui onde moro, os poetas costumam propor desafios uns aos outros. Um dia, o poeta Esio Pezzato sugeriu o tema "Que herança irei deixar para este mundo". Saíram sonetos lindos falando sobre valores morais legados aos filhos.

Acontece que não tenho filhos, então resolvi fazer um soneto de brincadeira.

Mais Tarde

Pergunta-me o poeta Esio Pezzato
Que herança irei deixar para este mundo.
Mas como responder de modo exato,
Sem dia de partir, hora e segundo?

Se agora, por exemplo, as botas bato
E, em Terras dos Pés Juntos, me aprofundo,
Só deixo este soneto e um pobre gato
Faminto a se esgoelar miando fundo.

Soneto inacabado, gato à míngua...
Que herança mais mesquinha! Dobro a língua.
Ou bato na madeira e a língua mordo?

A morte que me aguarde. Eu vou mais tarde,
Deixando neste mundo, sem alarde,
Soneto terminado e um gato gordo.

26 comentários:

  1. Carlinha, adorei o soneto e o gato gordo, idêntico a minha Izabella, que não tenho mais...
    Esio vai gostar do soneto, do gato gordo, nem tanto, pois é passarinheiro e escreveu matéria contra os gatos do cemitério dia destes no jornal! rs!
    Soneto nota mil!
    Tenho três gatos gordos que não gostam de ser chamados assim, por isso, os chamamos de fofos...
    miaubeijos
    Ivana

    ResponderExcluir
  2. Adorei! Cumprido o desafio, pois!
    Um grande bj querida amiga

    ResponderExcluir
  3. Rsrs.
    Ah... Carla, que dom é esse que brota de ti em forma de versos, que até no inusitado tema pétreo consegue verter plumas que me fizeram cócegas de admiração e gargalhadas singelas no canto da boca.
    Parabéns!

    Boa noite!

    ResponderExcluir
  4. Com uma mentalização dessas, com toda a certeza a morte lhe dará o tempo necessário para a engorda do gato faminto e o término do soneto inacabado! Ótimo! Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  5. Adorei sua resposta ao desafio... nada de deixar coisas inacabadas nem animaizinhos famintos!!!
    Bjoooo

    ResponderExcluir
  6. Oi, Carla. Amei o gato, o soneto ficou de mais. Saiba vc que tenho quatro gatos gordos fôfos! Querida amiga estou agradecendo o carinho da sua visita, pois vc é sempre generosa. Obrigada e bjos no seu coração.

    ResponderExcluir
  7. Carla, minha querida, adorei o soneto:)
    Eu gosto muito de animais; a minha preferêcia vai para os cães, que me têm acompanhado desde que me recordo de ser gente:), da casa de meus pais. Neste momento tenho um caniche.
    Mas, minhas irmãs (2) que vivem nos USA e 2 sobrinhas são maluquinhas por gatos.
    Penso que vc não se importará que eu copie e mande para elas o seu soneto... posso? - com os devidos créditos, EVIDENTEMENTE!!!
    Acho que elas vão adorar.

    Passe um tempo feliz na minha ausência (e não só...), e me aguarde.
    Até Setembro, tudo de bom p'ra vc.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  8. oi Carlinha,

    e eu que não conhecia esse seu lado
    que faz sorrir...
    adorei,
    e gatos são lindos e especiais,
    com qualquer peso...

    beijinhos

    ResponderExcluir
  9. Obrigada, querida. Já mandei para minhas manas.

    As expressões são mesmo assim:
    - Bater as botas
    - Ir para a moradia dos pés juntos
    - Esticar o pernil
    - Ir desta para melhor
    E agora não lembro mais:))) mas sei que há.
    Outro hora te digo :)

    Beijão

    ResponderExcluir
  10. Querida Carla, lindo o seu soneto! Saiba que amo os animais e , se preciso for rs, adoto esse gato fofo, certo? Beijos para voce e para o bichano.

    ResponderExcluir
  11. sílvia regina de oliveira10 de agosto de 2011 16:45

    Carla,

    A partir do (nosso) Guga (gato magro - pudera, adora comer borboletas!), o interesse pelos felinos se aprofundou, bem como o sentimento poético, sobretudo misterioso que eles podem despertar!
    Seu soneto é muuuito gostoso!

    Safyra

    ResponderExcluir
  12. Olá poetisa Carla, que tudo permaneça bem contigo!

    Desnecessário mais, que melhor legado pode deixar um poeta que não belos e divertidos versos, assim feito este teu, que desacelera a ligeira morte e engorda o gato, que por acaso dizem que possui sete vidas, e assim sendo a dona morte vai ter que esperar um bocadinho demais!
    É como sempre digo, por cá sempre há Algo além dos livros. Parabéns pelo belo soneto, deveras criativo e repleto de sentimentos, de viver!

    Grato por tuas sempre gentis visitas eu venho desejar que você e todos ao redor tenham intenso e feliz viver, abraços e até mais!

    ResponderExcluir
  13. Carla, voltei...porque me apaixonei por esse gato. É seu mesmo? Dá ele prá mim???

    ResponderExcluir
  14. Obrigada, pessoal, pelos comentários! Aos fãs do gato acima, explico que o encontrei nas imagens do Google. É só digitar "gato com fome" que ele é o primeiro a aparecer. Beijos!

    ResponderExcluir
  15. Oi querida amiga Carla Ceres. Com certeza vais deixar uma bela herença quando partires. Acho que ganhou o desafio até com certa folga. Um beijo. Tenha um ótimo final de semana. FIQUE COM DEUS.

    ResponderExcluir
  16. Querida Carla, permita-me chamá-la assim, pois estou sempre a acompanhar seu blog e você se desvela encantadora em tudo que escreve. fico pensando que além do gato, você alimenta muitas almas.
    Parabéns!!
    Um abraço
    Beth

    ResponderExcluir
  17. Oi, Carla. Obrigada querida pela sua visita e comentários. Olha as minhas crianças são: Chana, Tom, Bobi e Nina. `Há chana está bém velhinha e é a mais doce de todos! bjos com carinho e um lindo dia dos pais!

    ResponderExcluir
  18. o labirinto



    é aqui
    o provisório abismo
    este rosário de calêndulas ?

    pálido pêndulo de asas
    horizonte de estrelas donzelas

    - calendários -

    é aqui
    o solitário pórfiro
    este imaginário de istmos ?

    dilúvio desvio de lírios
    rios de urânios píncaros

    - imagismos -

    é aqui
    o purgatório cósmico
    este estrelário de brilhos ?

    luxúria lunária de chumbo
    solventre de escamas agônicas

    - estribrilhos -

    ResponderExcluir
  19. Inda que vai deixar um gato gordo, mas lembro-me de que meus antepassados dizem da miséria "não tem um gato para puxar pelo rabo"; talvez seja não ter onde se apegar, é a miséria dos italianos imigrantes que enchiam a casa de filhos para o lavoro eh, ãh... come manhare?
    abção, filhos é bom, mas não é tudo, os que os acham tudo brigam com eles na velhice.Geramos com o coração também, ou melhor, é com este que geramos.

    ResponderExcluir
  20. Soneto - som pequeno, mas para mim uma grande melodia em teus versos, Carla.
    Adorei o gatinho! Abraços e ótima semana...

    ResponderExcluir
  21. Oi, minha linda! Que saudade de andar por aqui e ler as coisas tão... tão... belas que você produz. Um amor esse soneto e não teve como não me lembrar do Quincas Borba, um cachorrinho também foi deixado como herança.
    Um abraço cheio de carinho pra você. Hummmmmmm bem apertado!

    ResponderExcluir
  22. Li seu soneto no jornal. Apaixonei-me! Parabéns, Carla, e parabéns também pelo prêmio Blog. Abraços singelos. Luzia.

    ResponderExcluir
  23. Carla

    Uma graça seu soneto e o fato de não ter filhos não interferiu na sua essência alegre de ser, pois por anda passa deixa palavras de amizade e alegria.
    Um ótimo final de semana!
    Ivana

    Estou comentando com a opção de anônimo porque não estou conseguindo com minha conta.

    ResponderExcluir
  24. Carla, amiga, nem sabe o quanto o assunto abordado em minhas páginas é polêmico, complexo e delicado, mas mesmo assim temos que emitir nossas impressões e aproveitar para aprender sobre as impressões dos outros também.
    Grata pela sua passagem por lá.
    Abraços e uma excelente semana.

    ResponderExcluir