terça-feira, 9 de outubro de 2012

Lustrando o Museu

Sapatinho de verniz, sob pantufas imperiais. Elegância é isso. :)

No dia 8 do mês passado, eu e meus colegas de excursão nos reunimos a um numeroso rebanho de turistas, que visitava o Museu Imperial de Petrópolis, lugar interessante e cheio de não-podes.

Ninguém podia entrar com bolsa, nem sacolas, nem máquinas fotográficas, nem filmadoras, nem celulares. Era proibido pensar em fotografar qualquer coisa dentro do palácio e todos precisavam calçar pantufas sobre os sapatos, para não riscar o chão. Para tirar a foto acima, tive que usar muita diplomacia e, ainda assim, só consegui porque estou do lado de fora, sobre o capacho.

O Museu Imperial fica no palácio onde morou a família de D. Pedro II, uma construção do século XIX. Quem quiser pode visitá-lo pela internet, mas o divertido mesmo é ir pessoalmente e juntar-se ao mutirão de turistas empantufados que arrastam os pés por seus cômodos e corredores, para dar um brilho popular à história. Com tantos plebeus patinando, o chão fica um espelho. Cuidado: tire as pantufas antes de encarar as escadas.

Carro mala, para transporte de passageiros e correio

Para meu grande desapontamento, o palácio não tem masmorra. Parece que isso é coisa de castelo medieval. Uma pena, pois nossos guias mereciam ser postos a ferros por esquecer de nos informar que, atrás do palácio, havia a "garagem imperial", cheia de carruagens, liteiras, cadeirinhas de arruá e até uma locomotiva. Descobrimos por acaso e ficamos muito contentes ao saber que podíamos fotografar à vontade.

As liteiras eram levadas por duas mulas

Seria maldade terminar este post sem nenhuma imagem ou som de dentro do palácio. Então, aí vai um videozinho de um minuto e meio. Espero que gostem do som.

Rosana Lanzelotte, no Museu Imperial de Petrópolis


20 comentários:

  1. Ahhhh hahahahaha eu ja me empanrufei nesse palácio! É magnífico mesmo!gostei da tua descrição!!! Beijos Carlinha!

    ResponderExcluir
  2. Oi, Carla! Estou conhecendo muitos lugares com o seu blog. Viajando nele. Esses veículos nos remetem a um tempo fascinante da nossa história. Não teve como não me lembrar dos livros do Machado de Assis.

    ResponderExcluir
  3. Olá Carla, que tudo permaneça bem contigo!

    Este é um dos problemas que detesto quando visito museus, estive em um em Campos do Jordão, o Palácio do Governo e também não permitiram fazer imagens, sendo assim eu me pergunto qual seria a utilidade da função museu nas máquinas fotográficas modernas?
    Entrar nestes locais e não poder voltar com uma imagem gravada sequer, das linhas arquitetônicas e tudo mais da época, é realmente decepcionante, mas, fazer o quê!

    Tenho vontade de conhecer este museu, diminuiu um pouco agora com esta tua postagem, que, aliás, sempre nos leva a viajar por belos locais deste continente, parabéns por mais esta!

    E agradecido por teus comentários nas visitas por lá, eu desejo a você um viver de intensa felicidade, abraços e até mais!

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  5. Carlinha! Lustres mentais de cultura fiz com você em sua viagem a tão nobre "Museu do não-pode"... Isso eu fiz muito no Museu do Ipiranga que também é mais ou menos assim, cheio de não me toques! Eu precisaria de pantufas antiderrapantes... Seria um desastre lustroso... Agora, o som... não deu sequer para um sonho com príncipes em um castelo desse naipe! Valeu sua reportagem!
    Bj. Célia.

    ResponderExcluir
  6. Agradecimentos poéticos
    minha amada Ceres
    seu blog é belo
    visitei o museu
    achei muito bonito
    um dia tivemos monarquia
    família real
    ...
    Saiba que luto para um dia
    me tornar um poeta
    todo santo dia e noite

    seja feliz

    Luiz Alfredo - poeta

    ResponderExcluir
  7. Confesso que me emocionei ao ver cada parte desse local! Regina tem razão:tudo nos remete aos relatos de Machado de Assis(amo!). Também deixei minha contribuição,lustrando o chão com as pantufas...

    ResponderExcluir
  8. Carla... parabéns pelo blog.
    Também não entendo porque os museus têm todo esse aparato....ignorância minha talvez.
    Mas seu post ficou lindo.. é tão bom viajar para lugares onde não podemos ir...
    Obrigado por tudo! Te sigo!

    ResponderExcluir
  9. Querida amiga,

    Meu silencio tem sido longo.

    Mas não tem sido por esquecimento, mas sim por conta dos acontecimentos do dia a dia.

    Quero muito agradecer a sua presença amiga lá no meu cantinho, a qual trás muita alegria para o meu coração.

    Que Deus a abençoe, e realize todos os seus sonhos e projetos.

    Uma linda semana para você coberta de muita paz e Amor!

    Abraço Amigo

    Maria Alice


    ResponderExcluir
  10. Estive no Museu Imperial há bastante tempo, é muito legal e mais legal ainda é sua descrição de lá. Beijão, menina!!!

    ResponderExcluir
  11. Olá, Carla. Já estive também em museu há tempos atrás, é muito interessante conhecer nossa história. Más tive uma sensação estranha, até triste. Essas mulas que vc diz eram escravos, uma época de muito sofrimento. Más parabéns amiga pelas imagens e post! Adoro vc menina. Obrigada sempre! Espero estar mais presente. Beijos e um bom feriadão!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cidinha!
      A informação que eu tenho pra você vai diminuir 5% de sua tristeza. As liteiras eram mesmo levadas por duas mulas, uma na frente e outra atrás. Isso porque iam quatro pessoas dentro e os escravos não suportavam. Porém, as cadeirinhas de arruá, um tipo de liteira menor, para uma pessoa, eram sim levadas por escravos. :(
      Beijos, querida!

      Excluir
  12. Olá, parabéns pelo blog!
    Se você puder visite este blog:
    http://morgannascimento.blogspot.com.br/
    Obrigado pela atenção

    ResponderExcluir
  13. Oi Carla, demorei mas vim rs..., sabe porque estou aqui? 1. Porque eu te amo, 2. Porque vc pediu a Nossa Senhora que olhasse por mim (vá ser amiga assim...)3. Porque adoro seus comentários, seu bom humor e me sinto super feliz em tê-la diariamente me dando força e carinho, obrigada. Prometo continuar tentando manter o blog ativo. Nem sempre é fácil. Beijos, Tania.

    Olha eu invadindo o espaço também rs... poxa, fiquei com vontade de usar essas exóticas pantufas nesse lugar tão ilustre. Estamos em São Paulo há um tempão e não aproveitamos praticamente nada da cultura que a cidade oferece. Precisamos mudar isso! Quando vc vier fazer uma expedição aqui, nos convida, será um imenso prazer conhecê-la pessoalmente e lhe dar um abraço apertado. Gosto muito, muito de ti. Obrigada pelo carinho de sempre. Beijos, Tainá.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tania e Tainá visitando meu blog! Tô feliz demais!!! :) Beijos, queridas!

      Excluir
  14. Você bem que tinha e dito, dessa ida ao MIP! Sempre que chegava algum cearense amigo ou familiar à minha casa no Rio, levava ao a este belo museu, só que as pantufas d'agora são bem "modernas", no material rsrsrs
    Adorei! Beijos, doce amiga!

    ResponderExcluir
  15. Minha querida

    Como sempre as tuas descrições e fotos, quase nos fazem sentir lá...deve ser lindo.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  16. Oi querida amiga Carla. Boa noite. Por esse motivos que não visito muito os museus, até para não ficar em algum deles, kkkk. Mas esse Museu Imperial vou visitar apenas para poder colocar as pantufas, kkkk. Nossa, você e o Leroy precisam voltar até aqui para ver as novidades de Campo Grande, cresceu muito nos últimos anos. Segunda coloco o pé e a casa novamente na estrada. Um grande beijo, fiquem com DEUS. Ótimo domingo.

    ResponderExcluir
  17. Eu ganhei um lápis linnnnnnnnnnndo com o fragão que é réplica do cetro de D. Pedro, sabia??? Veio de lá... ;)
    Desculpa a ausência, a vida está "daquele jeito", e estou na privação dos prazeres, andando somente na fila da obrigação!

    Sobre fotografar em museus, acho terrível essa bobagem. Fotografar sem flash não estraga nem diminui o valor de nada. HUMPF. Em Barcelona fizemos "trela" e fotografamos com iphone o Museu do Modernismo Catalão e a Fundação Miró. Quase fomos presas, e nem valeu a pena, as fotos ficaram horríveis! Bléh! E Londres não me atrevi a furar nenhuma regra, as leis lá são de lascar!
    Beijo, queridona!!!

    ResponderExcluir