quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Zevers, O Esquecido

Conto que obteve o 2º lugar no VI Concurso de Contos e Crônicas, da Unimep.

Zevers, O Esquecido

Era um dia de rotina dos Infernos. Pecadores nus tentavam esconder-se entre os vapores sulfúreos. Por trás das rochas, hordas demoníacas espreitavam, preparando o ataque. O chão, a ponto de liquefazer-se, queimava os pés descalços. Ao centro da grande caverna, instrumentos de tortura aguardavam suas vítimas.
 
Uma corneta recurva como um chifre emite o sinal tão esperado. Demônios lançam-se às almas perdidas que correm, caem, lutam ou simplesmente deixam-se estar imóveis, petrificadas de horror. Tridentes zunem, acertando seus alvos pelas costas. Garras afiadas arrastam os prisioneiros até as paredes de onde pendem grilhões. Iniciam-se as torturas. Gritos lancinantes ecoam. Estalam chicotes de aço.

Nem todos passam pelo suplício ao mesmo tempo. Alguns permanecem acorrentados observando com terror o que os aguarda e matando a sede com goles de chumbo derretido, servido em belas taças de pedra.

Em um canto do salão, um espelho oval reflete as metamorfoses de um ser indeciso. Zevers, o das grandes orelhas, transforma-se várias vezes, sem resolver-se. Ora é homem, ora é mulher, ora velho, jovem, belo, forte, frágil... Ensaia caretas de pavor, contorções de dor, gritos, gemidos, lamentações... Pensa até em ajoelhar-se e iniciar uma prece, uma súplica aos Céus. Não tem tempo. Uma tenaz em brasa puxa-o pela orelha.

-- Anda, Zevers! Atrasado como sempre! Escolha qualquer forma e junte-se aos pecadores.

Zevers novamente não tem tempo. A corneta recurva soa outra vez e toda a balbúrdia cessa.

-- Fim da primeira parte do exercício! Troquem de personagens e aguardem meu sinal! -- grita o instrutor que passa voando.

Grande correria em direção ao espelho. O grupo dos pecadores transforma-se em demônios apavorantes e a horda dos demônios torna-se um bando de pecadores apavorados.

Precisam superar-se. É a regra do treinamento. O Inferno está dividido em duas equipes que treinam todos os dias, invertendo papéis. Assim será até o Juízo Final, quando os verdadeiros condenados chegarão. Aí sim, os demônios serão somente demônios e cumprirão seus deveres.

Soa a corneta novamente e Zevers continua em frente ao espelho. Não sabe qual forma apavorante escolher. Um diabrete vermelho? Um monstro sem cabeça, com olhos na barriga? Uma serpente-salamandra? O problema de Zevers é o excesso de imaginação (além das orelhas grandes, é claro). Mesmo como crocodilo alado, as orelhas lá estão! Um crocodilo com orelhas daquele tamanho, só mesmo no Inferno!

Desiste do exercício. Retira-se do salão às escondidas. Está entediado e cheio de dúvidas. Será que os pecadores realmente virão algum dia? Há séculos que treinam e tentam. Sim, Zevers também é um espírito tentador. Conhece bem os homens. Já levou milhares de almas ao caminho da perdição. Mas será que haverá mesmo um julgamento? Será que seus esforços fazem sentido? Zevers é um demônio de pouquíssima fé.

Esgueira-se pelos corredores mal iluminados a procura de “seus aposentos”. Quer dormir. É um hábito humano do qual não abre mão. Adquiriu-o depois de perder a memória em uma batalha contra um espírito de luz. Zevers, o esquecido, era visto com certo respeito, pois enfrentar uma criatura celeste exigia coragem. Ele, porém, não se lembrava da luta.

Suas excentricidades não paravam por aí. Além de dormir e até sonhar, Zevers lia e dava ouvidos a tudo o que escutava. Agora, por exemplo, escutava passos a segui-lo. Parou. Os passos pararam. Decidiu voar e ouviu outras asas em seu encalço. Espiões, certamente!

-- O que vocês querem? -- berrou com falsa fúria.

O bater de asas afastou-se, os corredores ficaram vazios.

Desconfiavam dele e com razão. Ele era um conspirador, um dissidente entre dissidentes. Precisava disfarçar melhor. Foi à câmara do supervisor das atividades tentadoras, um arquidemônio curioso e detalhista, e, depois das formalidades de sempre, fez seu relatório:

-- Estimulei um conflito religioso no Oriente, instiguei a criação de novas armas biológicas, convenci os laboratórios que estavam a meu encargo a manter em segredo a cura de certas doenças a fim de continuarem vendendo remédios...

Continuou falando de massacres, crimes ambientais, corrupção, exploração da miséria... fatos verdadeiramente ocorridos com os humanos aos quais fora designado como tentador.

O arquidemônio chamou-o “o melhor espírito das trevas em termos de tentação, quase tão bom quanto o próprio Satã”. Zevers saiu orgulhoso. Era bom ser elogiado mesmo quando, ou melhor, especialmente quando não merecia. Aqueles pecados todos haviam acontecido, mas sem a interferência de qualquer demônio. Os homens tinham feito o que fariam de qualquer jeito, simplesmente porque eram estúpidos em seus ódios e interesses. Zevers desprezava a humanidade. Odiava-a. Queria poder exterminá-la antes que ela mesma o fizesse. Graças a ela, era obrigado a reconhecer sua inutilidade como tentador. E lá estava ele, um demônio inútil como os outros, uma existência sem sentido dedicada a tentações desnecessárias e à espera de um Juízo Final que talvez não viesse.

Pensando bem, ele duvidava da própria existência. Não se lembrava de Deus, de anjos, da queda e jamais vira Satã depois de perder a memória. Sabia, através dos homens, que havia outros infernos diferentes daquele: o inferno dos gregos, o inferno gelado e outros infernos quase esquecidos. Os homens eram tão maus que deveriam ter criado os demônios à sua imagem e semelhança. “Pensam-me, logo existo”, blasfemava Zevers cartesianamente, contra Céus e Infernos.

*          *          *

-- Acabamos de ver Zevers, o esquecido, saindo do Inferno sem autorização. Ele levava uma sacola negra. Devemos prendê-lo? -- perguntou um dos guardas ao arquidemônio.

*          *          *

Da igreja inacabada restavam três paredes a ponto de desabar. Zevers ajeitou um altar com as pedras do chão, cobriu-o com um pano branco, tirou dois vasos da sacola que trouxera e lamentou não ter conseguido flores. Bem que tentara apanhá-las pelo caminho, mas suas mãos faziam-nas murchar. Encheu os vasos com mato seco e achou-os até bonitos para enfeitar seu ritual. Acendeu velas brancas e, toque final, colocou sobre o altar sua obra-prima: um livro ricamente encadernado em cuja capa rebrilhava a palavra “Bíblia”. Beijou-o solenemente, mas preferiu deixá-lo fechado, pois as páginas estavam em branco. Tentara roubar uma Bíblia verdadeira, mas todas feriram-lhe as mãos como espinhos.

Ajoelhou-se, começou a rezar. As preces saiam de trás para a frente. Desesperou-se, precisava falar com Deus. Gritou:

-- Sei que está me ouvindo, fale comigo!

-- O universo todo está te ouvindo, Zevers. Para que tanto barulho? O que pensa que está fazendo? -- perguntou o arquidemônio aparecendo de repente.

Zevers tremeu. Como explicar-se? A verdade, talvez?

-- Olá, é um ritual de missa branca, como pode ver. Calma, escuta! Quero falar com Deus. É, falar com Deus. Preciso de respostas. Você sabia que existem outros infernos além do nosso?

-- Todos sabemos disso, seu desmemoriado! Se tem dúvidas, por que não pergunta a mim ou pede uma audiência a Satã?

-- Porque eu acho que Satã também não sabe.

Zevers perdeu a pouca prudência que lhe restava. Disse ao arquidemônio que, muitas vezes, ouvira Satã chorar de saudade de Deus. Disse que ouvira-o suplicar perdão em voz baixa e jurar vingança aos berros, porque não era atendido.

Um raio fulminou o altar e Satã, furioso, surgiu flamejante acompanhado por uma legião armada.

-- Amarrem o traidor mentiroso! -- ordenou.

Zevers foi preso sem opor resistência. A um sinal de Satã, os demônios partiram.

-- Mentindo sobre mim novamente, não é, Zevers?

-- Tende piedade, Satã, de minha atroz miséria! -- suplicou Zevers baudelairiano. -- Eu queria apenas falar com Deus.

-- Deus está morto, seu idiota! -- urrou Satã.

-- Não acredito! De jeito nenhum! Oh, desculpe-me, mas... Bem... nesse caso... -- disse Zevers aturdido -- que mal há em eu querer falar com Ele? Deixe-me tentar e, se ninguém responder, saberei que Ele morreu. Pensando bem, grande Satã, se nós dois tentarmos juntos, poderemos ter mais certeza ainda. Venha, rezar comigo. Venha!

-- Como se atreve a tentar-me!?

Satã bateu palmas e o arquidemônio retornou voando com uma enorme ânfora cheia d’água.

-- Despeje sobre o traidor! -- ordenou Satã.

-- Esperem! O que tem aí dentro? -- gritou Zevers.

-- Apenas água. Água do inferno grego. Você não é especialista em outros infernos diferentes do nosso? Então deve saber quais são os rios do inferno de Cérbero. Vamos, diga quais são! Diga os nomes. Eu te ordeno!

-- Aqueronte, Flegetonte... Cocito... Estige... -- balbuciou Zevers.

-- Esqueceu o mais interessante: o rio Letes, o rio do esquecimento.

A água caiu sobre Zevers que mal teve tempo de gritar e desmaiou. O arquidemônio desamarrou-o e transportou-o com cuidado, pelos ares, de volta ao inferno. O Príncipe das Trevas ficou só. Sabia que, por alguns séculos, nada teria a temer. Zevers perdera a memória e fora esquecido novamente. Acordaria rodeado por demônios dos quais não se lembrava e que também não se lembravam dele. Levaria tempo até reorganizar seus pensamentos subversivos e atrever-se a tentá-lo outra vez. Sim, ele certamente voltaria a tentá-lo porque era o único capaz de ouvir seu choro de saudade a qualquer distância.

-- Pronto, meu Príncipe! -- disse o arquidemônio, retornando. -- O esquecido está entregue. Repeti a história da luta entre ele e um anjo de luz.

“História verdadeira”, pensou Satã, orgulhoso. “Sou o maior anjo de luz que jamais existiu”.

10 comentários:

  1. Essa estrutura circular e infinita, de Ourobouros, é incrível. Não esperava o final de forma alguma.

    ResponderExcluir
  2. Olá Carla Ceres, desejo que tudo esteja bem contigo!
    Apesar de “demoníaco” é um belo e envolvente texto. Além do que é um texto premiado. Parabéns pela premiação deste ótimo texto!
    A verdade é sempre a mesmo, a ganância pelo poder, e o próprio poder em mãos inescrupulosas, ou mesmo exercido por mentes distorcidas, é deveras nefasto e devastador!
    Parabéns por belo texto Carla, desejo tudo de bom pra você e todos ao redor sempre, grande abraço e até mais!

    ResponderExcluir
  3. ESPETACULAR ESPELHO DA CONDIÇÃO NEFASTA DO PODER, GANÂNCIA E VAIDADE!! PARABÉNS QUERIDA AMIGA!! Bj Mel

    ResponderExcluir
  4. Parabéns minha linda amiga!!!! quanto orgulho!!!
    Caiu como "luva" para os nossos tempos!!!!
    bjs
    Mara Bombo

    ResponderExcluir
  5. Carla, vi seu comentário que relatava ter perdido seguidores no twitter por conta do texto. Acho que a pessoa se ofendeu por ter se sentido retratada, não é possível que tenha sido por motivos religiosos.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Eita mulher premiada, gente!!!

    E que cabeça pra "inventar" histórias, viu? Parabéns, mesmo atrasado, você sabe que estou na correria, né?

    Beijão!

    ResponderExcluir
  7. ocelo domingos pereira filho4 de dezembro de 2010 11:18

    De fato, a mitologia greco-romana é encantadora e um tema sempre cadente. Parabéns à autora do conto. Ocelo, mestrando em educação pela UNIMEP-Piracicaba.

    ResponderExcluir
  8. Carla,
    seu conto não só me divertiu com as atribulações desse demônio existencialista, como me proporcionou um verdadeiro prazer do texto.

    ResponderExcluir
  9. Puta Merda, Carla!!!!!

    Ficou em segundo lugar esde conto? O primeiro foi escrito pelo próprio Dante?

    Fiquei apaixonada. Que trama delicuisa e como está impecável a sua escrita.
    Parabéns. Vou ler novamente!!!!

    ResponderExcluir